Arquigrafia: uma coleção de imagens da arquitetura brasileira

17 02 2018

A carência de ferramentas adequadas para tratar e compartilhar imagens de forma profissional é notável em nosso país. No ambiente das bibliotecas, com suas velhas regras e foco eternamente em documentos textuais,  boas iniciativas ainda são poucas.

E o que seria um bom catálogo de imagens? Basicamente, um sistema que mostre prioritariamente as imagens, com boa qualidade, descritas com metadados específicos para imagens e indexadas de acordo com métodos e vocabulários controlados pensados para documentos fotográficos já seria um bom começo. O pesquisador de imagens que se deparar com um registro MARC cheio de informações inúteis para ele, com um link remetendo a uma imagem que demora a carregar vai fugir decepcionado para as montanhas.

O Arquigrafia, fruto de um projeto de pesquisa multidisciplinar coordenado por um professor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP, escapa da maldição do banco de imagens que mais parece um catálogo de livros. Trata-se de um “ambiente colaborativo” criado para compartilhar imagens de obras arquitetônicas e  espaços urbanos brasileiros, que tem os seguintes pontos fortes:

é um sistema que leva em consideração a visão do usuário especialista na área e privilegia as informações importantes para esse público

as imagens são exibidas de forma agradável e amigável

colaborativo, permite que qualquer interessado no assunto faça um cadastro e insira suas imagens

a interface de catalogação é fácil de usar

tem aplicativo móvel

tem ferramenta para interpretação da obra arquitetônica que deve permitir, futuramente, a busca por semelhança

Os pontos fracos são aqueles típicos dos sistemas colaborativos de compartilhamento de imagens: faltam orientações e critérios mínimos para descrição das imagens. Não me refiro àquelas complicadas regras de catalogação que os bibliotecários adoram, que nem seriam necessárias dentro da proposta do Arquigrafia, mas a algumas convenções básicas poderiam ser adotadas na descrição das imagens. Vamos ver alguns exemplos.

Atribuição de títulos

Como nomear uma foto de detalhe? Altar da Igreja de São Francisco de Assis ou Igreja de São Francisco de Assis: altar?

Se na imagem o que realmente aparece é a marquise do Parque do Ibirapuera, o título deve ser: Parque do Ibirapuera ou Marquise do Parque do Ibirapuera ou Parque do Ibirapuera: marquise?

No campo descrição

É realmente necessário iniciar a descrição com a expressão “vista do“? Quando é necessário especificar se é uma vista geral ou parcial, faz sentido. Caso contrário, é redundância. É uma fotografia, logo, é uma vista.

A utilidade de um  texto descritivo ao lado de uma imagem é, sobretudo, esclarecer aspectos que não estão evidentes na própria imagem. Explicitar os elementos presentes na imagem e sua distribuição espacial, informando o nome daquele chafariz que aparece em primeiro plano ou explicando que as as paredes são de adobe, por exemplo. Apenas repetir a informação que está perfeitamente evidente na própria imagem e no seu título é inútil. Na mesma linha de raciocínio, é interessante informar dados históricos que esclareçam aspectos da imagem, como  a alteração da fachada em  reformas posteriores, ou o fato do piso não ser original. Mas será que é realmente importante inserir no campo descrição um histórico completo da obra ou local fotografado, como se o registro fosse um verbete da Wikipedia?

 

Muitas imagens do Arquigrafia são fotos ou slides antigos digitalizados, já que o acervo da Biblioteca da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo também está sendo registrado na plataforma. É muito comum encontrarmos imagens com sinais de deterioração. Seria interessante que, na descrição ou num campo específico a ser criado, fosse inserida a observação de que a imagem está desbotada e o colorido original da obra está alterado. Pode parecer óbvio, mas como nem sempre a deterioração é evidente aos olhos dos leigos, é interessante alertar. Se a informação quanto ao estado de conservação for registrada em campo específico, poderá ser usada como filtro na busca, permitindo que o usuário exclua imagens desbotadas.

Critérios para indexação

Indexar imagens não é exatamente brincadeira de crianças. Se mesmo profissionais treinados e experientes vacilam e cometem erros clássicos, certamente não se pode esperar consistência ou precisão de usuários sem formação específica. O Arquigrafia já tem uma lista de tags pré-determinadas para ajudar o usuário em suas escolhas, e a equipe tem planos de melhorar o controle vocabular, mas o problema não é só a normalização dos termos. Quando indexamos imagens um dos grandes desafios é decidir quando vamos atribuir determinado assunto e como manter a consistência nas escolhas que fazemos ao longo do tempo.

Um dos erros mais comuns é confundir o local onde foi feita a foto com o assunto da foto. A imagem abaixo, publicada no Arquigrafia, foi feita na marquise do Parque Ibirapuera, mas nela o local realmente aparece de forma reconhecível? Um eventual usuário em busca de informações visuais sobre a dita marquise consideraria útil essa imagem que mostra, sobretudo, um patinador em movimento num  espaço quase vazio? Poderíamos, naturalmente, dizer que a resposta depende do tipo de uso a ser feito da imagem. Pela sua força expressiva, a fotografia poderia ser usada numa peça publicitária ou num cartaz de filme sobre o parque, por exemplo, mas o fato é que a marquise do Ibirapuera quase não aparece na imagem.

Foto de Beatriz Mendes Costa e Natália Andrade.

Acredito ser importante estabelecer um critério e orientar os usuários nesse sentido, para evitar recuperação de imagens irrelevantes. Afinal, é razoável esperar de uma biblioteca de imagens especializada algum rigor na indexação. Mas sei perfeitamente o quanto isso é difícil de ser colocado em prática.

Um outro ponto complicado é o nível de detalhamento na indexação. Ao analisar imagens, é importante considerar os diversos elementos visíveis na cena ou objeto fotografado, mas também é preciso saber desconsiderar detalhes pouco pertinentes. Indexar cada centímetro da imagem pode gerar excesso de informações de pouca utilidade para os usuários. Na imagem abaixo estão visíveis uma árvore, uma pomba e condicionadores de ar nas janelas do prédio, mas é pouco provável que inserir tags para esses elementos tenha algum interesse para quem pesquisa.

Foto de Larissa França Peres

Já a identificação de elementos técnicos da construção de um edifício, ainda que bastante específicos aos olhos de um leigo, podem ser importantes para o especialista,  como mostra a escolha de tags para a imagem abaixo: colônia de férias, sindicato, lazer, centro recreativo, quadra poliesportiva, canteiro de obras, coluna, laje
nervurada, concreto, concreto armado, vão.

Foto do acervo da Biblioteca da FAU

O usuário sem formação em arquitetura terá dificuldades em indexar usando termos técnicos ou usar a ferramenta de interpretação arquitetônica. Um glossário visual dos conceitos básicos da área seria útil, mas, sinceramente, não sei se é viável.

Num acervo colaborativo será impossível evitar decisões diferentes  quanto ao nível de especificidade na indexação, pois cada usuário terá o seu próprio olhar sobre as imagens, condicionado por suas experiências, conhecimento de arquitetura, lógica pessoal etc. Entretanto, acredito que, se forem oferecidas na plataforma orientações básicas e simples para guiar os colaboradores  na atribuição das tags, será possível melhorar um pouco a consistência na indexação.

Um dos conceitos clássicos da análise de imagens,  como aponta Sarah Shatford, é a capacidade que tem uma imagem de representar ao mesmo tempo um objeto específico e uma categoria genérica à qual esse objeto pertence. O assunto de uma foto da Praça da Sé, por exemplo, é tanto Praça da Sé quanto praças. Muitos usuários do Arquigrafia devem intuir isso e indexam as imagens postadas tanto pelo nome específico quanto pela categoria geral, mas nem todos. Seria bastante bem-vinda uma orientação nesse sentido.

Georreferenciação

Ao subir uma imagem por meio do aplicativo móvel, a localização é dada automaticamente pelo Google Maps. O recurso é ótimo, mas só funciona adequadamente se a imagem for postada no local onde foi registrada. Se o usuário fizer o upload em outro local, a georreferenciação ficará errada. Apesar de ser um fato óbvio, muitos usuários não se dão conta disso. Seria útil que o sistema desse um alerta no momento do upload, lembrando que é possível editar e corrigir a localização caso não esteja realizando a postagem no local da tomada da foto.

Adequação das imagens aos objetivos da coleção

Pode parecer evidente, a qualquer ser humano razoável, que a foto de um cachorro ou de um armário de roupas não tem qualquer interesse para uma coleção de imagens de arquitetura brasileira. Está explícito no texto do projeto: “imagens digitais de edifícios e espaços urbanos do Brasil e da comunidade lusófona”.  Não parece difícil de entender (nem de aceitar), mas parece que alguns colaboradores imaginam que seu cachorro ou suas camisetas se enquadram nessa definição. Um controle mínimo de qualidade se faz necessário, portanto,  para preservar as características do projeto.

Observações finais

O Arquigrafia é um trabalho em construção, e tenho certeza de que, apesar das dificuldades inerentes aos projetos tocados com verbas de agências de financiamento de pesquisa, sem pessoal fixo nem dotação orçamentária, ainda vai evoluir bastante. A equipe, da qual fazem parte bibliotecárias da FAU/USP e professoras do Curso de Biblioteconomia da ECA/USP está sempre aberta a sugestões, e eu mesma já dei meus palpites.

A plataforma é aberta a todos que se disponham a compartilhar imagens de arquitetura brasileira. Para participar, basta fazer um cadastro. Não é necessário ser arquiteto, nem estudante de arquitetura, nem fotógrafo. Por esse motivo, considero o Arquigrafia como uma boa oportunidade para professores e estudantes interessados em tratamento documentário de imagens testarem suas habilidades e conhecimentos na prática, travando contato com um sistema de concepção moderna, que busca dialogar tanto com o especialista quanto com os interessados leigos no assunto. Dá para pensar bastante em diversas questões relacionadas ao universo da catalogação e indexação de fotografias, contribuindo, ao mesmo tempo, com a formação de uma bela coleção de imagens de arquitetura brasileira. Sem esquecer, é claro, do cuidado indispensável com a qualidade e pertinência das imagens e informações postadas.

Referência

SHATFORD, S. Analyzing the subject of a picture: a theoretical approach. Cataloging & Classification
Quarterly, v.6, n. 3, p. 39-62,1986.

Mais informações sobre o projeto do Arquigrafia: http://www.arquigrafia.org.br/project

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Anúncios

Ações

Information

2 responses

19 02 2018
Izabel

Adoramos nossas caixas e temos dificuldade de pensar fora delas, mas que bom que existem textos como esse seu que tanto nos apresentam uma ótima inciativa quanto nos ensinam como podemos [a biblio] ajudar a melhorar esse tipo de ferramenta.

19 02 2018
Marina Macambyra

Obrigada!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: